Header Ads

LightBlog

Após passar por 5 exames psiquiátricos, Adson Muniz é considerado imputável

Foto: Will Assunção/JUP

O ex-vereador de Jussiape, Adson Muniz, que se passou por um agente policial e ganhou repercussão nacional ao ser preso sob suspeita de ter cometido uma série de ataques sexuais contra pelo menos 26 mulheres em bairro nobre da capital paulista, foi condenado pela Justiça por estupro e roubo à nove vítimas. No entanto, a decisão ainda cabe recurso, segundo apurou o G1 e a TV Globo.

Adson Muniz Santos recebeu penas que somadas totalizam 59 anos e oito meses de prisão em regime fechado pelos crimes praticados contra mulheres entre os anos de 2016 e 2017. As informações são do Tribunal de Justiça (TJ) e da defesa do ex-vereador, que sempre negou todas as acusações. No entanto, especialistas ouvidos pela Jussi Up ressaltam que pela lei brasileira ninguém pode ficar mais de 30 anos preso.


À Justiça e à imprensa, Muniz sempre negou as acusações. Chegou inclusive e alegar transtorno mental e pediu tratamento para se “curar”. Por decisão da Justiça, ele passou por cinco exames psiquiátricos, mas todos os resultados dos testes o consideraram imputável, ou seja, tinha consciência da gravidade dos crimes quando os cometeu, sendo julgado posteriormente como um criminoso normal e não um doente mental.

No segundo caso, se fosse considerado inimputável, ou seja, se não tivesse consciência dos seus atos, teria de receber tratamento num hospital psiquiátrico.

Das nove condenações contra Adson, seis são por estupros, sendo que algumas delas ainda têm roubo, extorsão, sequestro e abuso de poder. As outras três condenações foram por importunação sexual, ameaça e falsidade ideológica.

Adson ainda foi absolvido de uma acusação de estupro e teve ao menos um dos casos arquivados, segundo sua defesa. Uma das condenações por estupros teria saído em abril deste ano, de acordo com o G1.

Ele recebeu pena de 9 anos por estupro e abuso de poder, crimes que teria cometido em 22 de dezembro de 2016 contra uma mulher na capital paulista.

Outra condenação foi confirmada em outubro de 2019 que consistiu em 18 anos e seis meses por estupro, roubo e extorsão. Adson Muniz foi acusado ainda de atacar outra mulher nos Jardins, no dia 6 de outubro de 2017.