Header Ads

LightBlog

Projeto de policlínica para Jussiape gera debate na Câmara

Imagem: Divulgação

O projeto de uma policlínica para Jussiape, um dos principais motes da campanha eleitoral de 2016 do prefeito Eder Jakes (PP), gerou um debate entre vereadores na sessão da última sexta-feira (7) após pronunciamento do vereador José Roberto (MDB) sobre o funcionamento do aparelho de raio-X no hospital da cidade.

“Eu venho a esta Casa, hoje, não para falar do raio-X, que se encontra quebrado desde o primeiro dia do governo desse prefeito”, disse José Roberto em plenária.

Na ocasião, o emedebista falou da necessidade de um aparelho de raio-X para o município, alegando que Jussiape promove festa “milionária”. No entanto, “eu não vejo a sociedade questionar”, manifestou o parlamentar da oposição, que dedicou a maior parte do seu discurso ao potencial na produção de morango e amora no município.

Em resposta à fala do emedebista, a vereadora Vanusa Medrado (PRP) disse que o aparelho de raio-X será instalado na policlínica, segundo informações repassadas pelo prefeito a parlamentar. A vereadora afirmou ainda que, em relação ao projeto da policlínica, “o município já deu entrada no Estado, no setor de projetos”, que, além do orçamento já divulgado, haveria outras despesas com o atendimento de radiologia.

A princípio, uma reforma no local onde seria instalado o aparelho de raio-X foi cogitada, pontuou a vereadora. No entanto, explica Medrado, ficou decidido que o serviço de radiologia será realizado na policlínica, que deverá ofertar exames de eltro (também chamado de ECG) além de disponibilizar algumas especialidades.

A parlamentar também esclarece que os exames de raio-X solicitados aos pacientes não deixaram de ser realizados nesse período, já que é ofertado transporte a quem precisa do atendimento, “e mesmo aqui não tendo (o aparelho de raio-X), o serviço é ofertado”.

Cético quanto ao projeto de um consórcio que viabilizaria a instalação de uma policlínica em Jussiape, o vereador Edilando Brandão (MDB) afirmou que “a policlínica não vai sair do papel”. Sobre o raio-X, o emedebista disse que “pode falar com propriedade”. Brandão alegou que é muito difícil deslocar o paciente para qualquer avaliação médica.

“Há uma morosidade no sistema, seja estadual, seja federal. Infelizmente, a comunidade é que padece”, disse Vanusa Medrado após o questionamento do vereador emedebista.

Sem embargo, Brandão, que participou da campanha eleitoral que elegeu Eder prefeito de Jussiape, disse que “já se passaram dois anos e meio, e não teve início a policlínica. Foi propaganda política nossa. Foi promessa política nossa”.

O emedebista declarou que os recursos destinados ao município não são suficientes para manter uma policlínica. Para Brandão, o número da população do município é um dos critérios que inviabilizariam o projeto em Jussiape.