Header Ads

LightBlog

De verbo ao advérbio no texto jornalístico


E do verbo se fez advérbio. É preciso cautela ao nos depararmos na imprensa com afirmações em que haja determinados adjetivos – como possível – e advérbios – tal como possivelmente –, pois implica em um entendimento semântico flexível. Ou seja, apenas expressa a possibilidade de concretizar o que foi dito, não necessariamente a consumação de uma ocorrência, como um fato.

O verbo pode talvez seja o mais utilizado pelos colegas profissionais da imprensa, pois se subtende uma informação. Isso significa que são informações dependentes da interpretação do leitor. Podem ser ou não verdadeiros e podem ser facilmente negados, visto serem unicamente da responsabilidade de quem interpreta a frase.

Trago à luz algo que aprendi com Nilson Lage, um dos mestres do jornalismo, sobre os verbos poder e dever. É preciso ter cuidados com esses verbos, pois, em primeiro lugar, pode tanto significa é capaz de quanto é possível que. Assim, a vacina pode prevenir a Aids tanto significa que ela é capaz de prevenir a Aids quanto ela tem possibilidade (talvez) de prevenir a Adis – os dois sentidos são nitidamente diferentes.

De igual modo, o verbo deve tanto significa tem obrigação de quanto é provável que. Assim, o presidente deve renunciar tanto significa que ele tem o dever (moral ou a intenção) de renunciar quanto é provável que ele renuncie.