Header Ads

LightBlog

Decisão do MP em multar secretário de Obras e Transporte de Jussiape repercute entre oposição

Foto: Will Assunção/JUP

A fim de evitar responder a uma ação de improbidade administrativa – decorrente de uma representação feita ao MPE pela oposição –, o empresário Zacarias Porto Viana e o secretário de Obras e Transporte de Jussiape Alberto Silva se comprometeram a pagar, cada um, multa civil no valor de R$ 3.100, dividida em dez parcelas. O valor, no entanto, deverá ser revestido em favor do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Jussiape, como ficou estabelecido pelo Ministério Público.

A representação de autoria dos vereadores emedebistas José Roberto e Edilando Brandão, feita ao Ministério Público Estadual, no dia 19 de junho de 2018, tem como alvo o secretário de Obras e Transporte de Jussiape Alberto Silva, que, segundo os emedebistas, havia supostamente autorizado o uso de máquina motoniveladora patrol, de propriedade pública, em um terreno privado na cidade.

Na última sessão de sexta-feira (15), José Roberto afirmou que Alberto Silva havia comprado uma propriedade no município, e estaria utilizando maquinário público para desmatar. “Isso é uma falta de vergonha, isso não pode, isso é um crime”, disse o emedebista durante discurso no retorno das atividades da Câmara.

“O vereador Edilando foi lá, filmou e entregou ao Ministério Público; e ele não fez mais que a obrigação dele como vereador”, pontuou em seguida.

Em resposta ao questionamento feito pela oposição, o prefeito de Jussiape Eder Jakes (PP) disse que a Prefeitura possui máquinas e estão à disposição da população. “A nossa maior preocupação era no que diz respeito à denúncia”, pontuou. O gestor mencionou ainda um acordo “informal, de cavalheiros”, feito com a oposição.


À Jussi Up, o vereador José Roberto disse que ele e o vereador Edilando Brandão não são contra o uso da máquina pela população de Jussiape, no entanto, não aceita que a Prefeitura ceda as máquinas para pessoas que não são do município, para agentes políticos, a exemplo de secretários e vereadores, que possam fazer negócio.

Ao comentar sobre o acordo com o Ministério Público, José Roberto afirmou não ter gostado, e que irá questionar “porque ele assumiu o crime”. O parlamentou acrescentou que a parte cível foi resolvida, restando, então, a criminal.

O parlamentar sinalizou também que funcionários do alto escalão do governo estariam atribuindo às negativas das solicitações das máquinas às denúncias feitas pelos vereadores da oposição.

Brandão disse que a resposta dada ao promotor foi a de que “o vereador viu mal, que a motoniveladora estava derrubando o muro”, mas afirma que “ela só faz nivelar”.

José Roberto ainda reiterou que está aberto ao diálogo. “Nós da oposição estamos prontos até para conversar agora, e assumir algum compromisso com você”, declarou o vereador ao se referir a um pacto com o prefeito, que esteve presente na sessão.

No entanto, o emedebista deixa claro que se algum agente público – vereador ou secretário – fazer uso do maquinário da Prefeitura será denunciado, “primeiro porque não pode; segundo, não precisa usar as máquinas porque vai ser denunciado”.