Header Ads

LightBlog

Modelo de Pottier sobre a área semântica do signo


A seguir, o modelo de Pottier para formalizar a área semântica do signo, incorporando as relações de sentido na designação do signo proposto por Saussure:

Lexema – designa o que existe no mundo e é formalizado em quatro classes gramaticais (substantivo, verbo, advérbio e adjetivo).

Gramemasignificado gramatical – classes gramaticais: artigo, numeral, pronomes etc.

Lexematratado por lexia – unidade mínima de memória armazenada na memória de longo prazo, como o léxico da língua que se conhece.

Léxico ativo – usa vocábulo em ocorrência.

Léxico passivo – não usa vocábulo em ocorrência, mas sabe; dicionário – palavras interlexicais – incorpora semias.

Lexia complexa: lexia do âmbito da fraseologia, correspondendo a uma sequência fixa de palavras (exemplo: mãos de fada, dar de si, andar a cavalo);

Lexia composta: lexia constituída de palavras reunidas, usualmente identificada com palavras compostas (exemplo: porta-luvas);

Lexia simples: lexia constituída por uma só palavra, usualmente identificada com palavras simples (exemplo: gato, terra, beleza)

O conteúdo de uma lexia – categorema, semema e virtuema.

Categorema – significado comum a várias lexias.
Por exemplo: óculos – lente para ampliar a visão.

Semema – é o que dá a diferença de um referente para o outro.
Por exemplo: óculos (duas lentes); monóculo (uma lente).

Virtuema – é a lexia memorizada, são significados específicos decorrentes de experiências pessoais.

Vocábulo – todas as unidades contidas; elas têm o mesmo significado para qualquer pessoa, em qualquer lugar ou tempo em que falar aquela língua. Imposto como estado político, sentido dicionarizado por definição.

Palavra – é a lexia manifestada em um texto, porque adquire novos significados incorporados pelo texto e contexto.

Conceito – é algo não institucionalizado e varia de grupo para grupo.