Header Ads

LightBlog

Concordância verbal: quando o segundo verbo vai para o singular?


Para que seja feita uma correta concordância verbal com verbos no infinitivo, precisamos compreender que o infinitivo pessoal é flexionado e que o infinitivo impessoal não é flexionado.

Verbo encontrar - Infinitivo pessoal (flexionado):
(Eu) encontrar
(Tu) encontrares
(Ele) encontrar
(Nós) encontrarmos
(Vós) encontrardes
(Eles) encontrarem

Verbo encontrar - Infinitivo impessoal (não flexionado):
Encontrar

Em locuções verbais, porque é sempre o verbo auxiliar que concorda com o sujeito.

Os especialistas conseguirão estudar as características daqueles animais.
Ainda bem que meus pais puderam pagar minha faculdade.

Com alguns verbos causativos e sensitivos que não formam locução verbal (mandar, fazer e deixar, ver, sentir, ouvir) em conjunto com um pronome oblíquo átono, mesmo quando há sujeitos diferentes nas frases.

Vi-os correr rapidamente.
Mandaram-na começar a trabalhar.

Concordância verbal com infinitivo impessoal ou pessoal
Quando o sujeito é o mesmo nas duas orações, é facultativa a escolha do infinitivo pessoal ou impessoal, mesmo que o sujeito esteja oculto. Contudo, nestas situações, há uma maior preferência dos falantes pela forma no singular.

Viemos para transmitir as palavras do diretor.
Viemos para transmitirmos as palavras do diretor.
Lá estarão para resolver o problema.
Lá estarão para resolverem o problema.

Quando o verbo se encontra na voz passiva ou na voz reflexiva, sendo um verbo pronominal, ou quando for um verbo de ligação, é facultativa a escolha do infinitivo pessoal ou impessoal. Contudo, nestas situações, há uma maior preferência dos falantes pela forma no plural.

Os atletas treinaram muito para se tornarem os melhores.
Os atletas treinaram muito para se tornar os melhores.
Foram informadas as decisões a serem tomadas imediatamente.
Foram informadas as decisões a ser tomadas imediatamente.

Com alguns verbos causativos e sensitivos que não formam locução verbal (mandar, fazer e deixar, ver, sentir, ouvir) e que não aparecem em conjunto com um pronome oblíquo átono, é facultativa a escolha do infinitivo pessoal ou impessoal.

Deixei entrar as crianças.
Deixei entrarem as crianças.

Quando o verbo tiver regência de uma preposição, assumido a função de complemento do substantivo, do adjetivo ou do verbo na oração.

Foram obrigados a passar fome por causa da crise financeira.
Fui impedida de dar minha opinião.

Quando o verbo tiver regência da preposição a, assumido valor de gerúndio.

Os meninos estão a nadar muito bem.
Ficaram a ver o filme em silêncio.

Em locuções verbais, porque é sempre o verbo auxiliar que concorda com o sujeito.

Os especialistas conseguirão estudar as características daqueles animais.
Ainda bem que meus pais puderam pagar minha faculdade.

Quando os núcleos do sujeito são equivalentes e estão no singular, o verbo deve ir para o plural, obedecendo à regra geral.

Tu por um lado e eu por outro o acautelaremos das horas más.
(Aquilino Ribeiro, Volfrâmio *)

Utilizamos o verbo no singular

Quando os sujeitos vêm depois do verbo

Que te seja propício o astro e a flor, que a teus pés se incline a Terra e o Mar.
(Florbela Espanca, Sonetos).

Quando os sujeitos são sinónimos ou quase

A conciliação, a harmonia entre uns e outros é possível.
(Augusto Abelaira, O Nariz de Cleópatra).

Todo o seu comentário, toda a sua exegese e todo o seu exame artístico vinha insuflado dessa virtude elucidativa em que a sua contribuição pessoal se fazia sentir, ainda que no campo da hipótese ou da conjetura.
(Joaquim Ribeiro, in João Ribeiro, Cartas devolvidas², III)

Quando há uma enumeração gradativa

A mesma coisa, o mesmo ato, a mesma palavra provocava ora risadas, ora castigos.
(Monteiro Lobato, Negrinha)

Quando os sujeitos são interpretados como se constituíssem em conjunto uma qualidade, uma atitude

A grandeza e a significação das coisas resulta do grau de transcendência que encerram.
(Miguel Torga, Traço de União).