Header Ads

LightBlog

Aos 34 anos, Edilando Brandão conduz primeiro mandato com figurino de antagonista da velha política

Foto: Will Assunção/JUP

Na última sexta-feira (9), o vereador Edilando Brandão (MDB) completou 34 anos. O parlamentar, eleito em 2016 por 282 votos na eleição municipal com a maior frente de votos, ficou conhecido por adotar uma postura polêmica ao criticar ferozmente a administração do prefeito de Jussiape Eder Jakes (PP).

Há quem atribua a Eder o fato de o emedebista ter sido eleito no município, já que a campanha do vereador não disponibilizou de recursos arrecadados que fossem suficientes para arcar com as despesas previstas durante o período eleitoral. Por outro lado, muitos acreditam que as redes sociais, as críticas mordazes ao governo Bel, que patinava na impopularidade, e um perfil que exprimia a promessa de renovação na política exerceram forte influência no eleitorado.

Brandão, que no início do mandato foi base do governo Eder e eleito como vereador pela mesma campanha que elegeu o prefeito de Jussiape, atualmente integra a bancada da oposição ao lado do vereador José Roberto (MDB), que também era tido como um dos pilares da campanha do atual gestor do município.

Com a experiência de apenas um mandato, o emedebista tem cogitado na imprensa e nos bastidores da política a audaciosa possibilidade de ser candidato a prefeito nas eleições de 2020. O parlamentar sustentou a viabilidade de sua candidatura em uma entrevista concedida ao programa “Versões de Bastidores” da Jussi Up.

Edilando Brandão já foi questionado por manter uma estranha relação de condolências com o prefeito – ainda que possa ter mudado de postura – uma vez que o vereador é opositor ferrenho ao governo Eder. No entanto, em declarações, ele já deixou claro que não se pode confundir a vida pessoal da política.

Criticado e perseguido muitas vezes por sua conduta irreverente, incomum a políticos tradicionais em Jussiape, Brandão parece que no início se incomodou, mas não deixou se abater pelas críticas, mantendo sua espontaneidade que às vezes parece assustar quem se perpetua há anos na política do município.