Header Ads

LightBlog

Vereadores comentam aumento de 150% na taxa cobrada a comerciantes em Jussiape

Foto: Will Assunção/JUP

Na sessão da última sexta-feira (1º), vereadores comentaram o aumento de R$ 40 para R$ 100 – um acréscimo de 150% - na taxa cobrada pela Prefeitura Municipal de Jussiape aos comerciantes no município.

O primeiro a se pronunciar, o vereador José Roberto (MDB) disse que o aumento da taxa de ocupação do solo “pegou os comerciantes de surpresa”.

O vereador explica que “os donos de barracas pagavam R$ 40 por mês, e o prefeito resolveu aumentar a taxa para R$ 100”.

“Eu acho um absurdo o aumento de 150% num momento infeliz”, afirmou o emedebista ao contextualizar que “o nosso país passar por uma grande crise econômica, social, política e o município de Jussiape está no processo de decadência”.

“O comércio de Jussiape quase não existe”, alertou.

O parlamentar explica ainda que a alta da taxa “não vai gerar aumento de renda para o município”, e ressalta que nenhum aumento deveria ser feito.

“Os R$40 que os barraqueiros pagam dão muito bem para manter a feira e pagar e energia”, pontuou José Roberto.

O vereador ainda faz um alerta para o que chamou de “problema social”, o qual seria gerado por um aumento desproporcional da taxa cobrada aos comerciantes, além de afetar a imagem do prefeito, ressaltou.

Já o vereador Edilando Brandão (MDB) disse que “é doentio como eles (os comerciantes) são tratados”. O vereador questiona também a precariedade da estrutura disponível aos barraqueiros.

O emedebista ressalta a inviabilidade do aumento na cobrança da taxa e explicita que o valor que se quer cobrar muitas vezes é o valor que os comerciantes teriam como lucro. “Não é o momento de cobrar impostos mais altos”, disse.

Brandão classificou a decisão do Executivo de aumentar a taxa em 150% como “arbitrária”. E chamou a atenção para os comerciantes de fora que, muitas vezes, se sobrepõe aos trabalhadores do município, o que, para o vereador, é resultado da falta de organização.

O vereador Juscelino Barbosa (PRP), que afirmou já ter trabalhado como camelô por diversas localidades do Brasil, disse que o aumento da taxa “foi uma surpresa, eu nem sabia que estava tendo esse aumento; ou se vai ter”.

“Se fosse pelo menos um aumento mais acessível; mas subiu de R$ 40 para R$ 100, eu acho também alto”, pontuou o vereador.

“Eu acho que o prefeito deve analisar bem e refletir sobre as dificuldades que nós estamos passando no nosso município”, completou.

A vereadora Joacira Marques (PRP) falou que está disposta a conversar com o prefeito para analisar o aumento e pediu aos vereadores para se reunirem com Eder Jakes (PP).

O presidente da Câmara, Jadiel Carvalho (MDB), afirmou que “eu também não aceito esse aumento”. E completou ao dizer que “eu vou conversar com o prefeito”.

O presidente concluiu ao dizer que “de R$ 40 passar para R$ 100 é um absurdo”.