Header Ads

LightBlog

Senti vontade de voltar a me apaixonar, mas pode ser puro egoísmo


Eu acreditava ter idade suficiente para me considerar maduro a ponto de já ter expurgado do peito o desejo de me apaixonar novamente. Mas me flagrei, quando menos esperava, desejando encontrar alguém que combinasse tanto comigo que chegasse a ser o meu oposto, se é que isso é possível.

A vontade de ter com quem dividir os meus medos e planos mais sinceros surgiu naturalmente como surgem os pensamentos. De repente, por algum motivo, eu queria ter outra vida por perto para compartilhar experiências que esses dias calmos e sem perspectiva sóbria me trazem.

Nós somos humanos e padecemos de ter sentimentos estranhos. A coisa toda era mais do que puramente biológica, suspeitava. Não era somente a falta de outro corpo que, em situação oposta, ao despertar, me faria encostar meus lábios em costas com uma constelação de pintas e, enfim, me acalentar do desassossego que é sentir desejo.

Mas transcende o que deveria ser meramente carnal. Era tangencialmente mais profundo. Eu suspeitava que essa estranheza brotasse da minha mais primitiva natureza. Ao passo em que todas as possíveis causas dessa vontade de dividir domingos ensolarados surgiam furtivas. Desconfiava ligeiramente se tratar de uma estratégia do meu ego, fortalecido pela razão, mas sempre tentado pelo minha própria libido a realizar os meus desejos mais íntimos.

No entanto, essa sensação que me assaltava os pensamentos corria o risco de ser, intratavelmente, puro egoísmo. O que despontava figurado como inocente ânimo em encontrar outro par na vida poderia ser facilmente uma estratégia anônima e sorrateira para suprir de forma a atender os meus desejos inconscientes – como o aniquilamento da minha própria solidão.

Passei, então, a duvidar com certo deboche dos fatos que se sobrepunham a minha realidade. Na dúvida, escolhi ser filho do tempo e só colher o que ele me trazer.

Há sempre quem prefira fazer de tudo para driblar o lado feio da dor e canta junto à vida. Assim, eu ousei experimentar a felicidade de peito aberto.