Header Ads

LightBlog

Trabalhadores da educação decidem paralisar na próxima sexta (18) em Jussiape


O Núcleo Sindical da APLB – Sindicato de Jussiape convocou os filiados para uma assembleia geral na tarde da última sexta- feira (11) para debater e ouvir os anseios da categoria, a qual decidiu aderir a um dia de paralisação, que deverá ocorrer na próxima sexta-feira (18). Segundo o Núcleo Sindical da APLB – Sindicato de Jussiape, “a decisão é resultado das tentativas de negociações e reivindicações frustradas feitas pelo sindicado ao prefeito de Jussiape Eder Jakes”.

A APLB – Sindicato é uma entidade que representa os trabalhadores da educação no município e em todo o Estado baiano. O Sindicato, que é filiado à Federação dos Trabalhadores Públicos da Bahia (FETRAB), à Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e à Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras da Bahia (CTB), é considerado por lei uma entidade de utilidade pública e possui atualmente cerca de 90 mil filiados em toda a Bahia.

No encontro, realizado na Igreja Assembleia de Deus, na praça Cleriston Andrade, estiveram presentes o diretor da Delegacia Sindical Serra das Almas de Livramento de Nossa Senhora, Gerlando dos Santos Oliveira; o coordenador do Núcleo Sindical Jussiapense da APLB – Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia, Dourival Caires Teixeira e duas professoras – Sônia Silva e Dione Santos – que integram o Núcleo Jussiapense, além do procurador jurídico Alexandre Xandó.

Na pauta foram abordados temas como os precatórios do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (FUNDEF), os rumos da Campanha Salarial e Social 2018, os pedidos de licenças-prêmio, o não cumprimento dos avanços horizontais (quinquênios), o não cumprimento dos pedidos de mudança de nível estipulado pelo advogado Alexandre Xandó, um dos procuradores jurídico da entidade. Xandó afirmou aos servidores que “é preciso ir pra cima mesmo, e manifestarem suas insatisfações pela força da unicidade sindical”.

Os professores Gerlando Oliveira e Dourival Teixeira conclamaram a categoria para a mobilização e afirmaram a “importância da luta sindical para os avanços da categoria”.