Header Ads

LightBlog

Apertei o botão 'FODA-SE'

Li, certa vez, em um artigo científico que a parte da vida em que somos mais propensos a sentirmos completos, felizes e contemplados com paz de espírito é quando alcançamos os 30 e depois de chegarmos aos 60 anos. Enquanto os piores momentos da nossa existência tendem a se reproduzir sempre aos 15, 25 e 40 anos – quando as crises existenciais mais avassaladoras se instauram na gente. A conclusão dessa afirmação veio de um estudo baseado nas experiências e, consequentemente, nas observações dos efeitos da maturidade em cada um de nós ao longo da vida.

Aos 26 anos, depois de passar por experiências traumáticas, que eu jamais imaginei que fosse viver em algum dia da minha vida, finalmente entendi que a paz, que tanto almejamos, e a felicidade, esta difícil de descrever pela ciência, advêm de conquistas e de simples aceitações. Depois de entender algumas verdades impostas pelo universo e enxergar que o único modo de verdadeiramente ser feliz é, antes de qualquer coisa, estar bem consigo mesmo, eu encontrei uma enorme paz que não conhecia.

A dolce vita havia se revelado aos meus olhos. Nada além do que a minha professora de inglês e terapeuta, Lucia de Abreu, havia previsto para acontecer na minha vida. Ela conseguiu antever os percalços pelos quais eu teria de passar no meu próprio caminho para alcançar a doçura da maturidade. E isto incluía sofrimento, desilusões e a busca incessante pela verdade. A melhor parte foi saber que ela estava certa o tempo todo.

Nesse meio tempo, aprendi também uma palavra, uma espécie de mantra, que poderia me ajudar a resolver os meus maiores problemas sem muito esforço: foda-se! A primeira vez em que mandei um agravo existencialista à merda, em voz alta, eu me senti como alguém que fosse perder um projeto construído no centro da própria vida, que havia levado anos para ser erguido.

Era como se eu tivesse posto tudo a perder. Mas eu, finalmente, tive coragem de apertar o botão FODA-SE! Não duraram três minutos para que eu fosse inundado de amor próprio e de uma paz espiritual que me deixaram sorrindo à toa por um longo tempo. A sensação podia ser descrita como uma demissão do trabalho que você sempre sonhou, mas havia descoberto que, na verdade, ele te deixava infeliz.

Naquele momento, eu só queria agradecer. Eu havia descoberto um antídoto para a metade dos meus problemas. Desde então, me tornei uma pessoa mais independente: viajava só; andava mais comigo mesmo na medida do possível, praticava esporte sem a necessidade de uma dupla; e até ia ao cinema e a consertos sem precisar da companhia de alguém, o que pode soar rebarbativo para algumas pessoas.

Com o passar do tempo, fui colecionando episódios em que tirei do meu bolso o meu mais revolucionário emplastro, o foda-se, e usei em doses homeopáticas, sempre com muita moderação. Entre eles, estão alguns favoritos:

- deixei de me importar – ou preocupar – com gente que não se esforçava em estar presente; ao invés disso, investi tempo em pessoas que sempre tive vontade de conhecer, ainda que em sonho;

- realoquei as posições prioritárias que algumas pessoas ocupavam em minha vida, depois de descobrir que eu não passava de um simples “brother”;

- descobri que não ter vergonha pode ser o caminho mais rápido para a felicidade;

- parei de fazer questão em estar ao lado de quem só estava comigo por mero acaso ou conveniência; fui atrás de quem sempre me viu como o par ideal para alugar uma casa na praia e curtir o verão;

- ser indiferente, sem ser blasé, pode ser a forma mais educada de mandar alguém à merda!

- e, por fim, aprendi que nunca devemos perder tempo com pessoas que realmente não valem a pena. Elas são apenas um atraso para a manifestação da nossa felicidade. Esse tipo de gente só serve para nos mostrar o quanto estamos perdendo tempo com pessoas erradas. Acredite!, o mundo está repleto de gente incrível que combina perfeitamente com a gente.