Header Ads

LightBlog

Desinências nominais e verbais e a vogal temática


Desinências são morfemas que permitem a flexão da palavra a qual se juntam. Existem dois tipos de desinências: as desinências nominais e as desinências verbais.

Desinências nominais
Desinências nominais são morfemas que, quando juntos a algumas palavras, especialmente substantivos e adjetivos, indicam sua flexão em gênero (masculino e feminino) e em número (singular e plural).

Exemplos:
-o: desinência nominal indicativa do gênero masculino.
-a: desinência nominal indicativa do gênero feminino.
-s: desinência nominal indicativa do número plural.

Pelas desinências, conseguimos identificar o gênero e o número das seguintes palavras:

menino: masculino, singular.
menina: feminino, singular.
meninos: masculino, plural.
meninas: feminino, plural.

IMPORTANTE!
Existem palavras invariáveis que não se flexionam, não admitindo desinências de gênero e número.

Exemplos:

Palavras que não aceitam desinência nominal de gênero: cama, papel, janela, hotel;
Palavras que não aceitam desinência nominal de número: pires, lápis, ônibus, vírus;

Desinências verbais
Desinências verbais são morfemas que, quando juntos aos verbos, indicam sua flexão em número (singular e plural), em pessoa (1.ª, 2.ª ou 3.ª pessoa gramatical), em modo (indicativo, subjuntivo e imperativo) e tempo (passado, presente e futuro).

São as terminações que os verbos assumem quando conjugados. Dividem-se em desinência número pessoal,  desinência modo temporal e desinência verbo nominal.

Desinência número pessoal: indica o número e a pessoa a qual se refere a ação verbal.

Exemplos:

-o: desinência número pessoal indicativa da 1.ª pessoa do singular: eu canto, eu amo, eu vendo, eu prendo, eu parto, eu abro;

-s: desinência número pessoal indicativa da 2.ª pessoa do singular: tu cantas, tu amas, tu vendes, tu prendes, tu partes, tu abres;

-mos: desinência número pessoal indicativa da 1.ª pessoa do plural: nós cantamos, nós amamos, nós vendemos, nós prendemos, nós partimos, nós abrimos;

-m: desinência número pessoal indicativa da 3.ª pessoa do plural: eles cantam, eles amam, eles vendem, eles prendem, eles partem, eles abrem;

Desinência modo temporal
Indica em que modo e em que tempo ocorre a ação verbal.

Exemplos:

-va: desinência modo temporal indicativa do pretérito imperfeito do indicativo (1.ª conjugação): eu cantava, tu cantavas, ele cantava;

-ia: desinência modo temporal indicativa do pretérito imperfeito do indicativo (2.ª e 3.ª conjugações): eu vendia, tu vendias, ele vendia;

-ra: desinência modo temporal indicativa do pretérito mais-que-perfeito do indicativo: eu brincara, tu brincaras, ele brincara;

-ria: desinência modo temporal indicativa do futuro do pretérito do indicativo: eu partiria, tu partirias, ele partiria;

-sse: desinência modo temporal indicativa do pretérito imperfeito do subjuntivo: se eu abrisse, se tu abrisses, se ele abrisse;

Desinência verbo nominal: indica as formas nominais dos verbos, ou seja, o infinitivo, o gerúndio e o particípio.

Exemplos:

-r: desinência verbo nominal indicativa do infinitivo: contar.
-ndo: desinência verbo nominal indicativa do gerúndio: contando.
-do: desinência verbo nominal indicativa do particípio: contado.

VOGAL TEMÁTICA
As vogais temáticas ocorrem entre um radical e uma desinência. Ocorrendo em verbos, são chamadas de vogais temáticas verbais. Ocorrendo em nomes, são chamadas de vogais temáticas nominais.

Nos verbos, as vogais temáticas indicam a conjugação verbal:

Vogal temática -a indica os verbos da 1.ª conjugação: falar.
Vogal temática -e indica os verbos da 2.ª conjugação: entender.
Vogal temática -i indica os verbos da 3.ª conjugação: dividir.

Nos nomes, as principais vogais temáticas são -a e -o, como em em livr-o e past-a. Os nomes terminados em consoante, como par, possuem a vogal temática -e, que é recuperada no plural (mar-e-s). Apenas as vogais finais átonas são vogais temáticas nominais. Os nomes terminados em vogal tônica, como café, não possuem vogal temática.

IMPORTANTE
Vogal temática: vogal que se acrescenta ao radical de certas palavras; essa vogal amplia o radical e o prepara para receber as desinências. Em relação aos verbos, –a– é a vogal temática da primeira conjugação; –e– é a vogal temática da segunda conjugação; –i– é a vogal temática da terceira conjugação.

Nos nomes são as vogais átonas finais –a, –e, –o. Exemplos:
Rosa
Poeta
Triste
Livro
Tribo

O –o final será vogal temática, quando substituído por –a, não há oposição masculino ou feminino. Exemplo: na palavra livro, não há oposição masculino/feminino (livr–?).

O –o final será desinência de gênero quando a sua substituição por –a vai enquadrar o vocábulo na categoria de gênero feminino. Há então oposição masculino/feminino. Exemplo: menino (masculino)/menina (feminino).

Os nomes terminados em consoante (lar, azul) e em vogal tônica (café, caju) são atemáticos, isto é, não possuem vogal temática.