Header Ads

LightBlog

Ao optar pelo branco e canções alegres, família de Almir Luz preferiu encontrar a beleza na dor ao tradicional preto fúnebre

Ex-prefeito recebe honrarias na Câmara de Vereadores de Jussiape Foto: Antônio Neto/JUP

A palavra “luto” não esteve presente durante as homenagens concedidas ao ex-prefeito de Jussiape Almir Silva Luz, embora a família tenha preferido encontrar a beleza, mesmo na dor, ao tradicional preto fúnebre.

Já na manhã da última sexta-feira (27), um dos corredores do casarão, datado do final do século 19, onde viveu o ex-prefeito, amanheceu preenchido de fotografias que marcaram as memórias de Almir Luz. Nas imagens é possível encontrar recordações com a família, amigos e de importantes momentos vividos por Almir Luz.

Ao optar pelo branco, mesmo que de forma espontânea, os filhos, irmão e netos decidiram fazer dos últimos momentos com o patriarca da família Luz, uma celebração de despedida em que ressaltasse o que houvesse de mais belo na vida. Um vídeo divulgado pela família pôde sintetizar o intento.

A música sempre presente, o som mágico da sanfona e os outros muitos detalhes da cerimônia celebrada com honrarias dignas de alguém que se sobrepôs à vida com elegância, fizeram do funeral uma organização impecável.


Logo após às 9h20, quando o anúncio oficial da morte do ex-prefeito foi divulgado pela família e a imprensa noticiou o fato, as redes sociais inundaram de mensagens em homenagem a Almir Silva Luz.

O corpo do ex-prefeito foi velado na noite de quinta em sua residência, que fica localizada na Praça Rodrigo Alves Teixeira, centro da cidade. Contudo, já nas primeiras horas da manhã de sexta, foi levado para a Câmara de Vereadores de Jussiape, a poucos metros de sua casa.

O local recebeu mais de 300 pessoas – o número estimado, entretanto, ultrapassa o de 400 – entre a manhã e a tarde de sexta para se despedirem do ex-prefeito. Entre os presentes, estavam familiares, amigos, antigos funcionários, vereadores, autoridades locais, seguidores e admiradores de Almir Luz.

Às 10h, um culto evangélico foi realizado no salão principal da Câmara. À tarde, por volta das 14h30, houve a celebração de exéquias, cerimônia católica que confere honrarias fúnebres a fiéis.

O filho, neto e primo, consecutivamente, Adailton Sobrinho, Almir Neto e Roberto Luz utilizaram o microfone para homenagear o ex-prefeito.

Estiveram presentes na despedida, os ex-prefeitos José Luz, Sílio Luz e Gilberto Freitas. O prefeito de Mucugê Manoel Luz (PSD) também esteve presente.

O prefeito de Jussiape Eder Jakes (MDB), que no dia do funeral estava em Salvador, não compareceu às honrarias, mas expressou por meio de uma nota à imprensa que o ex-prefeito Almir Luz foi uma personalidade que cravou história em Jussiape. “Ele merece todo o respeito e atenção como homem, pai de família e político que foi”, disse.

Ao som de uma paródia inspirada em uma canção de Luiz Gonzaga, as homenagens ao ex-prefeito contaram com uma composição feita para a campanha pelo pleito à Prefeitura Municipal de Jussiape, em 1976, e que anos mais tarde se consagraria como um hino político de Almir Silva Luz. A letra da composição destaca o ex-prefeito como o “homem barbudo”, além de ressaltar a sua “pick up branca”.

“Bandeira Branca”, composição de Laércio Alves e Max Nunes, foi uma dentre as canções cantadas durante as homenagens.

Uma filarmônica acompanhou o cortejo fúnebre até o Cemitério de Jussiape, onde o corpo do ex-prefeito foi sepultado ao som do Hino Nacional. Filhos e netos se emocionaram até os últimos segundos da despedida do ex-prefeito sob um forte sol de abril.

Eleito prefeito uma única vez em Jussiape pelo PFL (Partido da Frente Liberal), no ano de 1989, Dio Barbudo, como era conhecido na política viu a sua alcunha ser transformada em um segundo nome mitificado.

Almir Luz governou Jussiape de 1989 a 1992.

Em 1976, Almir Luz se candidatou à Prefeitura de Jussiape, tendo como opositor João Batista Luz (Jamba). Em 1977, Jamba toma posse como prefeito de Jussiape após vencer o pleito pelo Executivo do município.

Como legado, Almir Luz criou duas creches, além de pavimentar ruas importantes da cidade, obras de saneamento, investiu em políticas assistencialistas, entre outras realizações na gestão pública do município.

Embora não estivesse mais ativo na vida política, Almir Luz sempre acompanhou de perto os bastidores da política em Jussiape.

MORTE

Almir Silva Luz, 8º prefeito de Jussiape, morreu aos 79 anos, na manhã desta quinta-feira (26), às 7h05, no Hospital São Vicente de Paulo, em Vitória da Conquista, na Bahia. Almir Luz havia sido diagnosticado com carcinoma hepatocelular, um tipo de câncer que atinge as células hepáticas. No entanto, a doença estava sob controle e ele vinha sendo tratado em dois hospitais em Belo Horizonte.

Na última semana, o ex-prefeito teria sofrido uma queda e atingindo a cabeça, o que levou o ex-prefeito a ficar em coma induzido por precauções médicas. No entanto, o quadro do ex-prefeito se agravou desde então.

À Jussi Up Press, seu filho Antônio Landulfo Luz Neto disse que o ex-prefeito morreu em decorrência de um traumatismo cranioencefálico, após sentir tontura e bater a cabeça, sofrendo um derrame. Sendo diagnosticado em seguida com falência múltipla de órgãos. O ex-prefeito havia ficado 14 dias entubado e sob efeito de medicamentos fortes. Mas morreu sem dor, informou o filho do ex-prefeito.

Segundo o histórico do município, Almir Silva Luz teria nascido na Fazendo São João, em 19 de abril de 1939, comunidade do município de Mucugê, na Chapada Diamantina, Bahia. Filho de Isabel e Antônio.

Almir deixou a esposa, a ex-primeira-dama Maria Telma Paiva Luz, cinco filhos e nove netos. Entre eles, Adailton Silva Luz Sobrinho, que foi prefeito de Jussiape entre os anos de 2002 e 2004, quando assumiu a Prefeitura após o ex-prefeito Sílio Luz ser cassado.