Header Ads

LightBlog

Análise sintática (15): objeto indireto


O objeto indireto é um complemento verbal obrigatoriamente acompanhado por preposição. Ele tem como função completar o sentido dos verbos transitivos que por eles só não fornecem informação completa.

Exemplos:
Meu pai gosta de música clássica.
O povo confiou no seu candidato.
Desculpe, não posso ir à tua festa.
Esta matéria interessa a todos.
Nossa próxima viagem será para a Ásia.

Enquanto os verbos transitivos indiretos exigem complemento com preposição, o objeto direto é outro complemento verbal que, por sua vez, não exige preposição.

Exemplos:
Escreveu diversos poemas.
Tocou suas músicas preferidas.

Objeto direto e indireto
Há verbos que exigem dois complementos - um objeto direto e um objeto indireto - de modo que são assim chamados de verbos transitivos diretos e indiretos.

Exemplos:
Dei livros a todos.
livros é objeto direto.
a todos é objeto indireto.

Ofereci uma viagem aos meus pais.
uma viagem é objeto direto.
aos meus pais é objeto indireto.

Objeto indireto pleonástico
O pleonasmo é uma figura de linguagem que consiste na repetição com a finalidade de enfatizar o discurso. Assim, quando o objeto indireto é repetido a fim de reforçar a mensagem, é chamado de objeto indireto pleonástico.

Exemplos:
Aos meus pais, dedico-lhes este livro.
Para os meus amigos, comprei-lhes estes presentes.

É importante não confundir o objeto indireto com o objeto direto preposicionado. O objeto indireto exige preposição para completar o sentido de um verbo transitivo.

O objeto direto pode usar preposição para completar o sentido de um verbo transitivo de forma facultativa. Isso é feito para evitar ambiguidades ou por questões linguísticas.

Exemplos:

Ao ladrão a polícia apanhou.
Ao ladrão é o objeto direto preposicionado do período.

Confirmamos que o uso da preposição é facultativo se o invertermos: A polícia apanhou o ladrão. A mensagem está clara e correta, sem a necessidade da preposição.

Agora, vejamos:
À Bahia eu vou.

Ao invertemos: Eu vou Bahia, a mensagem deixa de fazer sentido, pois o uso da preposição é obrigatório. Assim, estamos diante de um objeto indireto.

Objeto indireto formado por pronome oblíquo
Os pronomes lhe e lhes funcionam como objeto indireto.

Exemplos:
Quanto mais esperavam-lhe, mais preocupados ficavam com o avô.
Oferecemos-lhe uma viagem.

Objeto indireto x complemento nominal
É igualmente importante não confundir o objeto indireto com o complemento nominal. A função do objeto indireto é completar o sentido de um verbo, pois é um complemento verbal.

A função do complemento nominal, por sua vez, é completar o sentido um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio).

Exemplos:
Tenho receio de errar.
de errar é complemento nominal.

Ele não acredita na sua competência.
na sua competência é objeto indireto.

Seja obediente às regras.
às regras é complemento nominal.

Eu confio em você.
em você é objeto indireto.