Header Ads

LightBlog

Vereadoras recorrem à Constituição para rebater acusação compartilhada em áudio no WhatsApp

Vereadoras do PRP rebatem acusação caluniosa Foto: Will Assunção/JUP

Na sessão da última sexta-feira (9), a vereadora Vanusa Medrado (PRP) se defendeu da acusação, veiculada em um áudio compartilhado em diversos grupos no aplicativo WhatsApp, de acumular ilicitamente cargos públicos.

De acordo a vereadora, o áudio contendo a acusação infundada de acúmulo ilícito de cargos públicos chegou até ela na última semana, após ser compartilhado no aplicativo de mensagens instantâneas. Segundo a parlamentar, o autor da acusação a critica e chega a condená-la por exercer o cargo de técnica de enfermagem e atuar no município como vereadora pelo PRP.

Vanusa Medrado, que, em 2018, completa 25 anos como técnica de enfermagem do município, foi aprovada em um concurso público.

A vereadora reitera em diversos pontos do discurso que, ao exercer a profissão de técnica de enfermagem e atuar como vereadora, não fere a Constituição Brasileira e cita os artigos 37 e 38 da Carga Magna.

A vereadora ainda cita outros parlamentares, dentre eles, a vereadora Joacira Marques (PRP), que atua como professora da rede pública de ensino do município, aprovada em concurso público, e do vereador José Roberto (MDB), que apesar de ter sido aprovado também em concurso público, optou por não assumir o cargo.



JOACIRA MARQUES
A vereadora Joacira Marques, também atingida pela acusação caluniosa, se defendeu ao afirmar que “às vezes, a gente sofre com palavras indevidas, querendo denegrir a nossa imagem, mas quero dizer a vocês que nunca precisei de nenhum tipo de favorecimento”.

“Sou professora, vereadora, e cumpro o meu ofício com amor e retidão”, afirmou a vereadora que integra, junto a Vanusa Medrado, a tríplice no PRP na Câmara.