Header Ads

LightBlog

ANÁLISE MORFOLÓGICA (28): verbo


O verbo é a classe de palavras que exprime ação, estado, mudança de estado, fenômeno da natureza e possui inúmeras flexões, de modo que a sua conjugação é feita mediante as variações de pessoa, número, tempo, modo, voz e aspeto.

Estrutura do Verbo
O verbo é formado por três elementos:

1. Radical
O radical é a base. Nele está expresso o significado do verbo. Exemplos: DISSERT- (dissert-ar), ESCLAREC- (esclarec-er), CONTRIBU- (contribu-ir).

2. Vogal Temática
A vogal temática se une ao radical para receber as desinências e, deste modo, conjugar os verbos. O resultado dessa união chama-se tema.

Assim, tema = radical + vogal temática.

Exemplos: 
DISSERTA- (disserta-r), ESCLARECE- (esclarece-r), CONTRIBUI- (contribui-r).

A vogal temática indica a qual conjugação o verbo pertence:
1.ª conjugação: abrange os verbos cuja vogal temática é A: argumentar, dançar.
2.ª conjugação: abrange os verbos cuja vogal temática é E e O: escrever, ter, supor.
3.ª conjugação: abrange os verbos cuja vogal temática é I: emitir, evoluir, ir.

3. Desinências
As desinências são os elementos que junto com o radical promovem as conjugações. Elas podem ser:

Desinências modo-temporais: quando indicam os modos e os tempos.
Desinências número-pessoais: quando indicam as pessoas.

Exemplos:
Dissertávamos (va – desinência de tempo pretérito do modo indicativo), (mos – desinência de 1.ª pessoa do plural);

Esclarecerei (re – desinência de tempo futuro do modo indicativo), (i – desinência de 1.ª pessoa do singular);

Contribuamos (a – desinência de modo presente do modo subjuntivo), (mos – desinência de 1.ª pessoa do plural).

Flexões
Para conjugarmos os verbos temos de ter em conta as flexões a seguir.

Pessoa: 1.ª (eu, nós); 2.ª (tu, vós) e 3.ª (ele, eles).
Número: Singular (eu, tu, ele) e Plural (nós, vós, eles).
Tempo: Presente, Pretérito e Futuro.
Modo: Indicativo, Subjuntivo e Imperativo.
Voz: Voz Ativa, Voz Passiva e Voz Reflexiva.

Formas Nominais
As formas nominais são: Infinitivo, Particípio e Gerúndio:

Infinitivo Pessoal e Impessoal
O infinitivo não tem valor temporal ou modal. Ele é pessoal quando tem sujeito e é impessoal quando, por sua vez, não tem sujeito.

Exemplos:
O gerente da loja disse para irem embora. (infinitivo pessoal)
Cantar é uma delícia! (infinitivo impessoal)

Particípio
O particípio é empregado como indicador de ação finalizada, na formação de tempos compostos ou como adjetivo.

Exemplos:
Feito o trabalho, vamos descansar!
A Ana já tinha falado sobre esse tema.
Calados, os filhos ouviram o sermão dos pais.

Gerúndio
O gerúndio é empregado como adjetivo ou como advérbio.

Exemplos:
Encontrei João correndo.
Cantando, terminaremos depressa.
Continue sua pesquisa em Formas Nominais.

Classificação dos Verbos
Os verbos são classificados da seguinte forma:

Verbos Regulares: Não têm o seu radical alterado. Exemplos: falar, torcer, tossir.

Verbos Irregulares: Nos verbos irregulares, por sua vez, o radical é alterado. Exemplos: dar, caber, medir. Quando as alterações são profundas, eles são chamados de verbos anômalos; é o caso dos verbos ser e vir.

Exemplos: O verbo dizer (radical diz-) muda seu radical ao ser conjugado: digo, disser e direi.

Verbos Defectivos: Os verbos defectivos são aqueles que não são conjugados em todas as pessoas, tempos e modos. Eles podem ser de três tipos:

Impessoais: Quando os verbos indicam especialmente fenômenos da natureza (não tem sujeito) e são conjugados na terceira pessoa do singular, são verbos impessoais. Exemplos: chover, trovejar, ventar.

Unipessoais: Quando os verbos indicam vozes dos animais e são conjugados na terceira pessoa do singular ou do plural, são verbos unipessoais. Exemplos: ladrar, miar, surtir.

Pessoais: Quando os verbos têm sujeito, mas não são conjugados em todas as pessoas, são verbos pessoais. Exemplos: banir, falir, reaver.

Verbos Abundantes: Os verbos abundantes são aqueles que aceitam duas ou mais formas. É comum ocorrer no particípio.

Exemplos: aceitado e aceito, inserido e inserto, segurado e seguro.