Header Ads

LightBlog

Manual simplificado do uso da vírgula


A vírgula é um sinal gráfico de pontuação que serve para separar os elementos de uma frase ou para indicar uma pausa. A seguir, nós trataremos algumas regras de utilização da vírgula e quando ela não deve ser usada.

Vírgula antes de “que”
A palavra que pode ser um pronome (interrogativo ou relativo), um advérbio, uma preposição, uma conjunção (coordenativa ou subordinativa) ou uma partícula de realce ou expletiva. A utilização precedida ou seguida de vírgula depende da sua natureza morfossintática.

Vejamos algumas utilizações do temido sinal gráfico de pontuação:

Como pronome relativo, o que é precedido de vírgula quando inicia orações explicativas.

Vamos ao exemplo:
Ele, que tem a mania que percebe tudo, não estava, afinal, a ver bem a situação.

Como conjunção explicativa ou causal, é sempre precedido de vírgula.

Vamos ao exemplo:
Não te distraias, que podes ter um acidente.

Como conjunção consecutiva, também é precedido de vírgula

Vamos ao exemplo:
Ele falou tanto, tanto, que ficamos cansados de o ouvir.

Atenção para o que como conjunção subordinativa integrante, que nunca deve ser precedido de vírgula, porque a oração que inicia é parte integrante da anterior.

Vamos ao exemplo:
Queria que esclarecesses tudo.

Naturalmente que, na situação anterior, o que pode ter uma vírgula a precedê-lo, se ela estiver a assinalar uma expressão circunstancial de qualquer natureza, uma oração etc.

Vamos ao exemplo:
Quero, diga ele o que diga, que esclareças tudo.

Em qualquer das situações anteriores, pode ser colocada uma vírgula depois do que quando se lhe segue um sintagma explicativo, circunstancial, uma oração, etc.

Vamos ao exemplo:
Penso que, quaisquer que sejam as circunstâncias, o deves ouvir com atenção.

Repare, no entanto, que, na situação anterior, como essa vírgula indica a introdução de algo adjacente, deverá ser utilizada outra vírgula a indicar o fim do sintagma introduzido e a continuação da oração iniciada pelo que.

Orações adjetivas são aquelas que têm valor de adjetivo. 

Exemplos:
Ela é uma atriz que sempre faz escândalos.
Ela é uma atriz escandalosa. (“que faz escândalo” equivale a “escandalosa”).

Essas orações são introduzidas pelos pronomes relativos QUE, QUEM, CUJO/A(S), ONDE, O QUAL/A QUAL, OS/AS QUAIS.

O uso da vírgula nas orações adjetivas pode modificar seu sentido, por isso, tome cuidado:

a) Se estiverem EXPLICANDO algo sobre o termo antecedente, devem vir entre vírgulas;

b) Se estiverem RESTRINGINDO algo, não devem vir entre vírgulas;

Quando a conjunção que (porque) é precedida de vírgula

Se a oração for introduzida pela conjunção que e ela puder ser substituída por porque ou vice-versa, então, essa oração é coordenada sindética explicativa. 

Vamos aos exemplos:
Não me peça dinheiro, que eu não tenho. (porque eu não tenho);
Tivemos que correr, que a situação estava difícil. (porque estava difícil);
Procure mudar os pensamentos, que a vida não é assim. (porque não é assim);
Trabalhe duro, que vale a pena. (porque vale);

No interior de uma frase, a colocação da vírgula (ou não) junto de que traz algumas dúvidas, em boa parte devido às diversas funções morfossintáticas que apalavra pode assumir. Assim, quando o que é uma conjunção subordinativa completiva (dita também integrante), a menos que se intercale alguma expressão ou oração antes ou depois, a colocação da vírgula é uma incorreção grave.

Quando o que é um pronome relativo, se a oração introduzida pelo pronome for adjetiva restritiva, não se coloca qualquer vírgula; pelo contrário, se a oração for adjetiva explicativa, exige-se o emprego da vírgula, ou das vírgulas, no caso desta oração estar intercalada.

Mais ocasiões que a vírgula deve ser utilizada:

Para isolar topônimos (nomes próprios relacionados com um determinado lugar), seguidos de sua respectiva data.

Vamos ao exemplo:
Maceió, 12 de fevereiro de 2018.

Separar orações coordenadas assindéticas (isentas de conectivos que as liguem).

Vamos ao exemplo:
Ao iniciar a reunião, todos se apresentaram, começaram a discutir os assuntos pertinentes e chegaram a um consenso muito antes do esperado.

Separar orações coordenadas sindéticas iniciadas pelas conjunções adversativas, alternativas, conclusivas ou explicativas.

Veja os exemplos:
Precisava urgentemente se decidir, ou somente trabalhava, ou estudava.
Preparou-se muito para as olimpíadas de Matemática, logo obteve a primeira colocação.
Não me sinto preparada para esta viagem, pois tive que decidir rapidamente.
Sinto-me honrada com suas desculpas, porém nossa amizade não será mais a mesma.

Isolar expressões explicativas, corretivas ou continuativas representadas por: isto é, por exemplo, ou seja, aliás, entre outras.

Vamos aos exemplos:
A violência social é um fato grave, ou melhor, assustador.
Pretendo despachar os documentos em breve, isto é, na próxima semana.

Separar apostos e vocativos em uma oração

Veja os exemplos:
Marcos, traga seu certificado assim que puder, pois preciso entregá-lo ao Departamento de Pessoal.
Marta, irmã de Pedro, casou-se ontem.

Separar um adjunto adverbial antecipado ou intercalado entre o discurso.

Vamos aos exemplos:
Naqueles tempos, havia uma maior interação entre as pessoas.
Sem que ninguém esperasse, repentinamente, ela apareceu.

Isolar algumas orações intercaladas

Vamos ao exemplo:
Precisamos, pois, estarmos atentos a tudo que acontece.

Nota importante:
Quando a conjunção iniciar a oração, o uso da vírgula será dispensado.

Vamos ao exemplo:
Gostaria de parabenizá-lo pelo desempenho, pois percebi seu esforço.

Isolar um complemento pleonástico antecipado ao verbo.Vamos ao exemplo:
Aos insensíveis, por que não ignorá-los?

O.D. pleonástico

Indicar a supressão de um verbo subentendido na oração (recurso linguístico caracterizado pela elipse)

Vamos ao exemplo:
Grande parte dos alunos estava trajada de Country; Patrícia, de caipira.

Separar termos coordenados em uma oração

Vamos ao exemplo:
Aos domingos, reuniam-se todos os filhos, genros, noras, netos e bisnetos para uma agradável confraternização familiar.

Separar orações subordinadas adjetivas explicativas

Vamos ao exemplo:
Santos Dumont, que é considerado o pai da aviação, foi o inventor do 14 Bis.

Separar orações adverbiais (desenvolvidas ou reduzidas), sobretudo, quando estas se antepuserem à oração principal.

Vamos aos exemplos:
Ao chegar em casa, percebi sua apreensão.
Caso queira conversar comigo, avise-me antecipadamente.

Casos em que não se recomenda o uso da vírgula:
Não se usa a vírgula para separar termos que, do ponto de vista sintático, estabelecem diretamente uma ligação entre si. 

Eis as seguintes ocorrências:
Para separar sujeito do predicado

Vamos ao exemplo:
Os alunos estão todos eufóricos à espera dos resultados.

Sujeito Predicado
Entre o verbo e seus complementos (objeto direto e indireto), mesmo que o objeto indireto se anteponha ao objeto direto.

Vamos ao exemplo:
Entreguei aos clientes os pedidos.
O. Indireto | O. Direto.

Entre o nome e o adjunto adnominal ou o complemento nominal.

Vamos aos exemplos:
Seu relógio de pulso foi apreciado por todos.

Adjunto Adnominal

Vamos ao exemplo:
Você tem amor à profissão.

Complemento Nominal

Mais funções:
Separar elementos que exercem a mesma função sintática.

Vamos aos exemplos:
Tivera pai, mãe, marido, dois filhos. Todos aos poucos tinham morrido. (nesse exemplo a vírgula separa uma série de objetos diretos do verbo ter).
LISPECTOR, Clarice. A legião estrangeira.

Quando elementos que têm mesma função sintática aparecem unidos pelas conjunções e, nem e ou, não se usa vírgulas, a não ser que as conjunções apareçam repetidas:

Vamos aos exemplos:
Tenho muito cuidado com meus livros e meus CDs.
Ou você, ou sua esposa deve comparecer à escola de seu filho.

Isolar vocativo

Vamos ao exemplo:
E agora, meu marido, aceito ou não o emprego?
Isolar aposto

Vamos ao exemplo:
Goiânia, capital de Goiás, é uma cidade que tem belas mulheres.

Isolar complemento verbal ou nominal antecipados

Vamos aos exemplos:
Um medo terrível, eu senti naquele momento. (inversão do objeto direto) 
De cobra, eu morro de medo! (inversão do complemento nominal)

Isolar adjunto adverbial antecipado

Vamos ao exemplo:
Dizem muito que, no Brasil, os corruptos ficam soltos enquanto os ladrões de galinha vão para a cadeia.
VERISSIMO, Luis Fernando. Novas comédias da vida.

Aparece entre orações de sujeitos diferentes

Vamos ao exemplo:
O tempo estava nublado, e o piloto desistiu do vôo.

Não tem sentido de adição

Vamos ao exemplo:
A senhora apertou a campainha, e ninguém veio atender. (o e tem valor de conjunção adversativa)

Isolar orações reduzidas

Vamos ao exemplo:
Para serenar a roda, propus novo chope.

Para separar "paralelismos"

Vamos ao exemplo:
Tal pai, tal filho.