Header Ads

LightBlog

José Roberto diz que Bel experimentou do próprio veneno

O vereador José Roberto Foto: Will Assunção/JUP

Na última sexta-feira (1º), as contas de 2015 do governo do ex-prefeito Bel foram rejeitadas pela Câmara de Vereadores de Jussiape. O placar foi de 6 votos a 3 – o que fez uma das principais vozes da oposição na Câmara, o vereador José Roberto, dizer que a votação foi uma “surpresa”.

Oposição também ao governo do ex-prefeito, o vereador José Roberto, do PMDB, disse que Bel experimentou do próprio veneno. “Hoje, neste dia, talvez, você esteja passando pelo pior momento, que é o de estar experimentando do próprio veneno”, disse o peemedebista ao ex-prefeito que esteve presente na sessão.

José Roberto explicou que o seu voto foi político, já que sempre foi oposição ao governo do ex-prefeito, na gestão anterior.


O Tribunal de Contas do Município (TCM), órgão técnico especializado em contas públicas, já havia endossado, através de um parecer, a reprovação das contas de 2015 do governo do ex-prefeito.

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que, para ficar inelegível, um prefeito precisa ter suas contas de governo rejeitadas pela Câmara de Vereadores, e não mais apenas pelo Tribunal de Contas do município, como acontecia até no ano passado.

Com o novo entendimento, ficará inelegível o prefeito que tiver as contas reprovadas pelo legislativo municipal, mesmo que já tenha a reprovação prévia da corte de contas.

A prestação anual de contas dos governos e sua análise pelos Tribunais de Contas é obrigatória para todos os gestores. Ela analisa se o governo cumpriu ou não as leis que regem a execução do orçamento anual.

É provável que agora que a Câmara rejeitou as contas, a penalidade prevista para o ex-gestor é perder os direitos políticos por oito anos. Ainda cabe recurso, no entanto, o Ministério Público deverá instaurar uma ação civil contra o ex-prefeito.