Header Ads

LightBlog

Vereadores não podem agradar dois ao mesmo tempo: 2020 está em jogo

Atualizadas em 9  de NOVEMBRO às 18h28
Pelo menos é essa a estranha sensação que tem tomado os bastidores da política em Jussiape. Embora os dois perfis não agradem alguns parlamentares, entre muitos vereadores existe ainda o dilema que se transformou em um jogo político. Ao votar contra Bel, os vereadores estarão retirando possivelmente o ex-prefeito da disputa de 2020, mas não necessariamente estarão fortalecendo Éder, já que novos nomes vêm surgindo desde então.

Mas a pergunta que paira é, afinal, Gilberto Freitas (PSC) teria mesmo chance de ser um forte candidato nas próximas eleições municipais? O que temos por enquanto são apenas especulações sobre um futuro cenário para 2020, já que alguns nomes para o pleito à Prefeitura vêm ganhando força no município.

A Câmara deve julgar as contas de 2015 do governo do ex-prefeito Bel antes do dia 5 de dezembro – início do recesso da Câmara de Vereadores de Jussiape. Na última sessão ficou decidido, após exigência do TCM, que cada vereador deverá declarar o seu voto de forma não secreta. Bel deve recorrer a vereadores aliados na política para tentar uma possível absolvição, o que, em tese, o legitimaria para concorrer às eleições de 2020, tendo Éder Jakes (PMDB) na oposição como candidato.

No entanto Bel precisa de 2/3 dos vereadores para derrubar o parecer emitido pelo TCM, o que significa que o ex-prefeito precisa do voto de pelo menos 6 parlamentares. Caso a Câmara opte pela reprovação das contas de 2015, Bel deverá se tornar inelegível por oito anos. A decisão ainda cabe recurso.