Header Ads

LightBlog

Servidores públicos do município tiveram salários descontados, diz Edilando Brandão

O vereador peemedebista Edilando Brandão Foto: Will Assunção/JUP

O vereador Edilando Brandão (PMDB) afirmou nesta sexta-feira (20) na sessão da Câmara que o salário do funcionário público do município tem diminuído cada vez mais. O peemedebista disse que foi descontado R$ 300 do salário de um funcionário. “Mais de dez pessoas vieram me mostrar os holerites; tem pessoas que tiveram descontado no salário mais de R$ 200 reais”, garantiu.

O discurso do vereador José Roberto (PMDB) reforçou a fala de Brandão, ao atestar que funcionários de carreira do município tiveram o salário reduzido. “Inconstitucional, senhores vereadores, é o prefeito reduzir o salário”, pontuou. Nesta sexta, a Câmara rejeitou um projeto de lei de autoria de José Roberto – que adequaria às leis estadual e federal e concederia licença-prêmio ao servidor público municipal a cada cinco anos de trabalho efetivo- considerado inconstitucional, já que, em tese, apenas o Executivo é que pode enviar para a Câmara projetos pertinentes a servidores públicos.

José Roberto chamou os supostos cortes nos salários dos funcionários públicos municipais de “covardia”, ao se tratar de um “desrespeito total”. No seu pronunciamento, o vereador disse que um servidor o procurou e alegou que “esse cara [Éder] parece que veio para destruir Jussiape”. Em seguida, o vereador se retirou da sessão após não se sentir bem. “Senhor presidente eu não estou muito bem, eu vou me retirar”, disse ao deixar a plenária.

Brandão questionou ainda a falta do pagamento de diárias aos motoristas, que, segundo ele, apenas têm recebido gratificações. “Foi jogado na cara do motorista que ‘você vai ganhar uma gratificação; você não tem direito’”, expôs na plenária. O vereador lembrou também dos riscos e da responsabilidade que é para os motoristas se deslocarem até outras cidades ao levar um paciente. “Um prefeito que você só encontra duas vezes na semana vai saber da desgraça do povo como?”, completa Edilando Brandão.