Header Ads

LightBlog

Quanto de ouro foi retirado das serras em Jussiape e pago a Portugal?

Grimpo no Rio das Contas, em Jussiape, no início do século 20 Foto: Acervo do MASOLS/JUP

Com a penetração dos Bandeirantes na Chapada Diamantina, a busca por minérios preciosos impulsionou a chegada de exploradores, que haviam deixado para trás o sonho das Minas Gerais após os primeiros sinais da decadência da exploração do ouro, nas décadas iniciais da segunda metade do século 18. Logo as Lavras Diamantinas, na região centro do Estado da Bahia, ganhariam novos rumos: serras e ribeirões foram rasgados para formar novos garimpos. Por ocasião do centro de riquezas estar localizado às margens do Contas, entre vales e serras, uma povoação logo se formaria, dando origem a Jussiape.

Mas vamos ao que interessa: segundo registros históricos, o garimpo de Pedro da Silva pagou a Portugal de Quinto, imposto da época, 450 arrobas de ouro. Se uma arroba equivale a 15 kg, podemos chegar à conclusão de que foi entregue à Coroa Portuguesa 6.750 kg do mineral precioso. Agora tente imaginar a quantidade total do ouro extraída dos minérios na época.

A Serra do Santo Antônio, um dos pontos mais altos da região, na divisa entre Rio de Contas e Jussiape, abrigava diversos minérios e garimpos espalhados pelos seus morros. A exploração do minério precioso em Jussiape perdurou até o início do século 20, quando o ouro ainda era comercializado por José Vieira Assunção.