Header Ads

LightBlog

Para oposição, governo Éder quer que a população pense que denúncia partiu de vereadores

Oposição na Câmara rebate boatos sobre denúncia Foto: Will Assunção/JUP

A sessão plenária da última sexta-feira (1º) foi marcada por esclarecimentos da oposição sobre os boatos de que os vereadores José Roberto e Edilando Brandão, ambos do PMDB, teriam denunciado o prefeito, que pertence a mesma sigla partidária, ao Ministério Público.

No mês passado, o promotor Millen Castro Medeiros de Moura expediu uma determinação para a anulação das contratações temporárias de pessoas ligadas ao prefeito, vice-prefeito, vereadores, secretários municipais e servidores municipais, por casamento ou parentesco até o 3º grau.

O vereador José Roberto esclareceu que as ações pontuais impostas pelo Ministério Público foram determinadas pela Procuradoria Gral do Estado da Bahia (PGE) e pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM).

De acordo com assessoria do TCM, o órgão vai apurar indícios de acumulação ilícita de cargo, emprego ou função pública e a extrapolação do teto de remuneração por servidores em 363 municípios do Estado.

Segundo uma nota divulgada para a imprensa, um levantamento preliminar indica a necessidade de apuração sobre a situação funcional de 30 mil servidores em 585 órgãos da administração pública direta e indireta de 363 municípios do estado.

“O prefeito coloca o povo contra o vereador”, disse o vereador Edilando Brandão ao afirmar que nenhuma denuncia sobre a contratação de funcionários partiu dele. “O povo merece pelo menos uma explicação”, acrescentou.

No seu discurso, Edilando pontua que “Ele [Éder Jakes] não tem peito de chegar aqui e dizer para o povo. A realidade é essa [sic]”.

Ainda segundo o peemedebista, o prefeito não tem coragem de enfrentar o povo. “Só enfrenta no dia para demitir. Ele é o verdadeiro Roberto Justus”, disse Edilando ao comprar o prefeito com o empresário que se tornou conhecido pela postura pouco amigável com seus subordinados.