Header Ads

LightBlog

Vereador exige que Executivo explique como dinheiro foi parar em conta criada em seu nome

O peemedebista José Roberto Foto: Will Assunção/JUP

Na última sessão plenária da Câmara de Vereadores, na última sexta-feira (11), o vereador José Roberto (PMDB) exigiu explicações do Executivo sobre o valor de R$ 1.057,44 depositado em sua conta.

Como professor concursado do município, o vereador peemedebista afirmou que já tinha a intenção de empreender em um negócio desde o governo Vagner (2010), deixando de lecionar, tornando-se um professor licenciado sem remuneração.

Segundo José Roberto, um funcionário da Prefeitura teria informado a ele que uma conta-salário havia sido criada em nome do vereador e, no mesmo dia, o valor referente ao salário como professor teria sido depositado.

No dia 3 de abril de 2017, foi aberta a conta e depositado o valor de R$ 1057,44, informou o vereador.

O peemedebista explicou no plenário que a Prefeitura tem um convênio com o Banco do Brasil e ela pode abrir uma conta, mesmo sem o titular ter sido informado sobre a transação.

José Roberto é dono do Cartório Rápido Ribeiro, uma empresa especializada em pegar certidões em cartórios, uma modalidade de negócio na internet.

“Tentaram me constranger, tentaram me chantagear, e acharam que iam me comprar”, disse o vereador sobre a divulgação de fake news através de um perfil anônimo na internet.

José Roberto afirmou que o dinheiro foi devolvido aos cofres público através de uma transação bancária a pedido do próprio vereador.

O líder da oposição na Câmara exigiu do vereador Jadiel Carvalho (PMDB), presidente da Câmara, esclarecimentos do Executivo. “Eu quero simplesmente que alguém venha a esta Casa, aqui. A pessoa responsável por abrir esta conta, a pessoa responsável pela folha, por depositar, e que venha aqui dar uma explicação”.

José Roberto reforça o pedido dizendo que o presidente, seguindo regimento interno da Casa, tem a obrigação de enviar um requerimento, ou se preferir contatar o prefeito de outro modo, para pedir esclarecimentos sobre o dinheiro depositado em nome do peemedebista.

Em seguida o vereador segue afirmando que “eu não aceito esse tipo de coisa, eu não aceito. Ninguém vai me comprar aqui, não, por causa de mil reais, não”.

As tensões na Câmara aumentaram desde o anuncio do rompimento do vereador José Roberto com o prefeito, na primeira sessão plenária, na sexta-feira, 4 de agosto, após o recesso. Em uma coletiva de imprensa, o vereador do PMDB chegou a descrever o perfil do prefeito Éder Jakes como “frio” e “mentiroso”.