Header Ads

LightBlog

Retomada ao Turismo em Jussiape exige atenção redobrada

Praça Rodrigo Alves Teixeira, centro de Jussiape Foto: Will Assunção/JUP

Anunciada nas últimas sessões plenárias da Câmara de Vereadores de Jussiape em tom de polêmica, o retorno da pasta de Turismo ao município deve ser visto com atenção redobrada. De acordo com os vereadores, o prefeito pretende enviar à Câmara um projeto que cria investimentos no Turismo com a reativação da pasta.

O projeto que deverá ser enviado à Câmara pelo Executivo prevê um empréstimo no valor de aproximadamente R$ 50 mil reais para que a Secretaria de Turismo volte a funcionar como um órgão do município, segundo foi retratado nas últimas sessões.

O debate sobre o retorno da pasta gerou uma tensão na Câmara após o vereador José Roberto (PMDB) questionar sobre o risco eminente da reativação da Secretaria de Turismo beneficiar aliados políticos do prefeito Éder Jakes (PMDB).

Os rumores que rondam os bastidores da Câmara são de que a pasta é tema de uma disputa acirrada entre partidários do prefeito Éder. Quem assumir o Turismo deve se atentar a questões primordiais, mais urgentes, reafirmando que as demandas primárias vêm antes de qualquer projeto da Bahiatursa em conseguir bandas famosas.

A Câmara e o prefeito devem ter ciência da importância que o Turismo representa para um município que está localizado na região turística da Chapada Diamantina, ainda que Jussiape não possa ser chamada de cidade turística, apesar da sua evidente vocação.

Independente de o município viver um momento prolongado de desesperança no setor, investimentos no Turismo podem significar uma saída inteligente para demandas até então vistas como um fardo para o município. Até porque Jussiape tem renegado a sua própria vocação ao ecoturismo e ao turismo ecológico. Carece de instrução, competência e boa fé.

As tradicionais festas culturais do município enfrentam um processo austero de descaracterização. Outra violação à identidade e memória do município é a falta de políticas públicas voltadas à instituição museal no município. O Museu de Antiguidade de Jussiape, que já foi uma autarquia do Turismo, reúne um dos mais ricos acervos do interior do Estado da Bahia.

Como consequência, a manutenção da identidade cultural e os patrimônios material e imaterial seguem sofrendo com o peso do esquecimento. Nos últimos anos, os governos fizeram vistas grossas à proposta de tombamento municipal do Centro Histórico de Jussiape, que acabou perdendo muito do valor histórico-cultural.

É bem sabido por todos nós que Jussiape não é um município rico, e, por isso, deve priorizar um projeto que atente às tradições e a sua identidade. O Turismo deve propor a manutenção da memória do povo, assim como a Cultura, uma pasta já muito esquecida, mas que ainda brilha como vestígio.