Header Ads

LightBlog

Poluído, Rio das Contas ganha novo capítulo sobre o seu destino incerto

Rio das Contas no município de Jussiape Foto: Will Assunção/JUP

Sem uma rede de saneamento básico que atenda às necessidades ambientais, Jussiape despeja quase todo o seu esgoto no rio que corta o município. A cidade não possui nenhum sistema de tratamento de despejos, poluindo as águas do Contas.

O rio também não é contemplado com projetos de reflorestamento das suas margens. O que implica na perda da sua função física de segurar a barranca com suas raízes. As espécies plantadas nas margens também protegem a vegetação lateral do rio, que é a chamada mata ciliar. Além de não perder solo, que pode assorear o rio.

Na última sessão plenária da Câmara de Vereadores, na sexta-feira (4), o vereador Edilando Brandão (PMDB) atentou para o assunto. “Faço um convite para cada um de vocês: vá até a beira do rio de Jussiape. O rio está morrendo, a água que está alí é aquela que chega e vai embora [...]. Não tem reflorestamento [sic]”.  

O vereador também questionou a falta de investimento da Embasa (Empresa Baiana de Águas e Saneamento) no município. “Não tem um incentivo para melhorar esse rio”. E reavivou uma problemática séria sobre o Rio das Contas: “o esgoto continua sendo jogado nos rios [sic]”.

Ainda sobre as questões do saneamento básico no município que não foram atendidas pela Prefeitura, o vereador sugere que a comunidade se reúna e cobre do prefeito. “Vamos todos para frente da Prefeitura; pressione o prefeito, porque é obrigado a fazer [sic]”.