Header Ads

LightBlog

Plataformas de aposta esportiva "quebram" após resultado inesperado do Brasileirão


Uma série de plataformas e bancas ilegais de apostas esportivas, que virou febre em vários estados do Nordeste, “quebrou” após os resultados da 13ª rodada do Campeonato Brasileiro na última quarta-feira (12). Em Jussiape, uma plataforma similar se tornou um vício entre os jussiapenses.

Na cidade, o site que rende prêmios com valores de até R$ 10 mil para um único jogador é o Federal Sports. A febre tem atraído cada vez mais jogadores que veem nas apostas uma chance de ganhar dinheiro fácil. Nesta semana, um valor estimado em mais de R$ 17 mil foi distribuído entre os vencedores das apostas.

Assim que os jogos da Série A terminaram, começaram a circular nas redes sociais imagens de cartões vitoriosos de apostas vencedoras acumuladas — em que o apostador marca vários possíveis resultados e só ganha o dinheiro se todos eles acontecerem como previsto.

A improvável combinação das cotações de todos os visitantes pagava entre mil e 2.200 vezes o valor apostado. Mas, foi exatamente o que aconteceu: Bahia, Santos, Botafogo, Corinthians, Cruzeiro e Vasco venceram as partidas.

No WhatsApp, áudios de supostos cambistas e operadores das bancas se disseminaram. “Pessoal, não adianta me ligar, me pressionar, mandar mensagem. Já entrei em contato com o dono da banca e ele falou que é impossível pagar. O prejuízo é milionário. Não vai ter condição de pagar. E vocês sabem que é jogo ilegal. Não adianta ir para a Justiça, não adianta fazer nada. Fechou a tampa do caixão”. 

“Vocês podem ter certeza: nenhuma banca vai pagar isso. A gente vai ver se faz um acordo para não deixar todo mundo desamparado. Esse jogo acabou hoje. É falência ‘pra’ todo mundo”, afirma outro funcionário das bancas por um áudio no aplicativo.

Apostas esportivas são consideradas jogo de azar no Brasil, o que impede que os sites sejam cadastrados no país. Muitas páginas, entretanto, são registradas no país, mas em nome de laranjas. No entanto, cambistas usam tablets e maquininhas de impressão em pontos físicos e de maneira ambulante, oferecendo as apostas em bares e em pontos estratégicos.

Os envolvidos em apostas ilegais podem ser indiciados por crimes como lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta, sonegação fiscal, evasão de divisas e funcionamento de instituição financeira sem autorização do Banco Central, em crimes contra a ordem econômica, tributária e contra as relações de consumo.

SITES ADMITEM PREJUÍZO
Logo após os resultados dos jogos, parte dos sites de aposta começou a admitir seus prejuízos e pedir paciência aos jogadores. O site Marjosports, sediado no Brasil e registrado em nome de "Jurema Vinte e Nove da Silva", publicou em sua página um pedido de desculpas.

A banca Chuto Forte, cadastrado no sistema nacional em nome de “Thiago de Luna Campos”, afirma que entrará em contato com os ganhadores "para o posterior agendamento das datas".

Outro site, intitulado BetGol777 e registrado fora do Brasil, afirma que vai parcelar o pagamento dos créditos dos apostadores. “A Bet Gol 777 assume desde já o compromisso de honrar todos os débitos na condição de parcelamento, iniciando com 10% (dez por cento) do valor do prêmio, com programação de quitar todos os valores em dez vezes”, afirma o comunicado.

CASO DE POLÍCIA
Em abril deste ano, a Polícia Civil do Ceará (PC-CE) deflagrou a Operação O Jogo Não Acabou, que fechou uma casa de apostas na cidade do Crato. Os policiais prenderam um homem em flagrante por contravenção penal e apreenderam materiais de apostas ligadas aos sites “Bets 69”, “Bets 99”, “Bets Cariri” e “Bets Nordeste”. 

Estes dois últimos já não operam mais, mas as duas primeiras bancas, sediadas fora do Brasil, continuam funcionando.