Header Ads

LightBlog

Serra do Santo Antônio expõe lenda sobre a morte de mineradores na Beta de Pedro da Silva

Serra do Santo Antônio, em Jussiape, Chapada Diamantina (BA) Foto: Will Assunção/Jussi Up Press

A 15 km da sede, o povoado do Bicho de Cima é um dos locais por onde se tem acesso à Serra do Santo Antônio, onde fica localizado o Pico do Candombá, um dos pontos mais altos do Nordeste, e, o segundo pico mais alto dos município vizinhos, com mais de mil metros de altitude, perdendo apenas para o Pico do Itabira, conhecido também como Itobira, que chega a 1.970m de altitude.

ONDE ESTÁ O ITABIRA?
Apesar de constar no Google Earth que o Itabira fica localizado no território de Rio de Contas, município vizinho a Jussiape, é possível encontrar alguns divergências nos mapas do Google, o que dificulta a precisão exata de sua localização. É bem provável que o morro fique na divisa dos dois municípios, explica a geógrafa e especialista em ecoturismo Soraia Assunção.

Serra do Santo Antônio, em Jussiape, Chapada Diamantina (BA) Foto: Will Assunção/Jussi Up Press

TODOS PREPARADOS?
Do Bicho parte uma expedição onde Gulliver Ribeiro e Will Assunção, repórteres da JUP, embarcam com a missão de registrar durante dois dias do mês de janeiro o percurso que revela um dos locais envoltos de mistérios, a Beta de Pedro da Silva. Segundo relatos, no século 18, período em que a exploração de ouro atingiu o seu ápice em Jussiape, após façanhas revestidas de ganância, mineradores teriam sucumbido junto à mina em um desastre trágico que também haveria levado à morte escravos que estavam no local.

O QUE DIZ A LENDA?
Diz a lenda que Pedro da Silva, um dos responsáveis pela exploração do minério- e de quem os pesquisadores pouco têm notícia, já que há pouco, ou quase nenhum registro, sobre sua passagem por Jussiape- na base da serra, ao ver tanto ouro ser extraído da beta teria dito que “se for pecado, basta...”, o que teria sido suficiente para despertar a ira dos Céus e a estrutura ceder, matando todos os que estavam nas escavações, como forma de castigo divino pela ganância empenhada nas expedições que garantiram arrobas de ouro a Portugal.



RECONHECIMENTO
A Serra do Santo Antônio fica na Área de Proteção Ambiental do Barbado (APA do Barbado), na divisa entre os municípios de Jussiape e Rio de Contas, na Chapada Diamantina (BA). A APA do Barbado é uma unidade de conservação de uso sustentável tombada em 1993. A região abriga várias nascentes que abastecem as principais bacias hidrográficas do estado, entre elas, Paraguaçu, Contas e São Francisco. O local dispõe de uma rica biodiversidade e guarda a memória do Ciclo do Ouro e do Diamante na Bahia.

BELEZA VISTA DE LONGE
O entardecer visto do Morro do Cruzeiro atrai admiradores do pôr do sol. Em diversas épocas do ano o fenômeno proporciona uma vista dos morros que compõe a Serra do Santo Antônio um visual deslumbrante. Em cada estação é possível ver diferentes tonalidades cobrir a serra e tomar o céu, formando um verdadeiro espetáculo da natureza.

Serra do Santo Antônio, em Jussiape, Chapada Diamantina (BA) Foto: Will Assunção/Jussi Up Press

O NOSSO PÃO DE AÇÚÇAR
Não é apenas o Rio que tem direito a um morro consagrado e bonito por natureza. Nós temos o nosso próprio Pão de Açúcar que oficialmente recebe o nome de Pico do Candombá. O pico, localizado na Serra do Santo Antônio, dispõe de uma paisagem imponente, que se destaca como um dos principais cartões-postais de Jussiape, o que o torna impossível de não ser notado por quem chega à cidade.

LUZ, CÂMERA E AÇÃO
Durante esses dois dias de aventura, Will Assunção, editor da Jussi Up Press, gravou sua experiência na serra. No vídeo é possível ver um pouco da trilha, que se estende por aproximadamente 10 km, além de saber o que cada um deles sentiu na pele ao enfrentar a natureza como ela realmente é. Uma das reclamações do grupo foi a de que lá em cima faz muito frio, à noite, devido à altitude elevada, afinal passam dos mil metros. Duas pessoas do grupo sentiram falta de ar e outras reclamaram de formigamento e tontura. Houve também queda de pressão entre os integrantes da excursão. Então, se você pretende conhecer a serra um dia é bom estar precavido. Mas, lá do alto, a vista compensa. Do Pico do Candombá é possível ver partes da cidade de Jussiape, além da BA-148, no trecho que corta a serra em direção a Rio de Contas.

Pico do Candombá, na Serra do Santo Antônio, em Jussiape, Chapada Diamantina (BA) Foto: Will Assunção/Jussi Up Press

TURISMO
Assim como na Serra do Santo Antônio, a vocação para o turismo ecológico se torna evidente em todo o território do município, pois além de permitir o deslocamento para espaços naturais, com ou sem equipamentos receptivos, motivando o visitante pelo desejo de aproveitar a natureza e observar de forma passiva a flora, fauna e toda a paisagem, traz um rico legado histórico.

O percurso pela serra é considerado difícil, pois exige longas caminhadas, e faz necessário a aberturas de trilhas e pequenas táticas de sobrevivência na selva. Em todo caso, existe a preocupação de educação e conscientização ambiental por parte da comunidade e dos visitantes. Apesar do turismo ainda não ser explorado e Jussiape estar muito longe de ser considerada uma cidade turística, pode ser visto um grande potencial para o turismo. É o que prova o nosso Pão de Açúcar. E olha que ele é apenas um dos atrativos turísticos em potencial.