Header Ads

LightBlog

Casa de Saúde, interditada em 2016, tem data prevista para retornar às atividades, diz Jakes

Éder Jakes, prefeito de Jussiape Foto: Will Assunção/Jussi Up Press

A Casa de Saúde Ana Medrado Luz, em Jussiape, interditada após ação do Ministério Público, através da Vigilância Sanitária, em dezembro de 2016, ao constar irregularidades, tem previsão para retornar as suas atividades normais, informou o prefeito.

Segundo Éder Jakes, “a interdição do hospital é algo que está sendo custoso demais para o município. Não só custoso no sentido de recursos financeiros, mas custoso também para os munícipes que se deslocam para fora, porque a maioria dos casos poderia ser resolvida aqui”, disse.

EXIGÊNCIAS CUMPRIDAS
“A parte humana nós fizemos de forma imediata: que foi a contratação dos bioquímicos, mas que, na verdade, já tinha profissionais concursados no município. Os enfermeiros para fazerem a coordenação, para fazerem [o trabalho da] infecção hospitalar. Estamos providenciando mudanças na estrutura dentro da farmácia do hospital para que ela se adeque à realidade. Porém tem a mais custosa que é a parte da lavanderia, do refeitório, do qual tem um recurso federal, na emenda parlamentar, que está liberada, mas por falta da documentação permanece bloqueada; mas nós já estamos providenciando”, afirmou.

Jakes afirma ainda que a Casa de Saúde já havia sido notificada em gestões antoires, mas nunca foram tomadas as devidas providências. “Quando nós assumimos, nós procuramos sanar os problemas mais imediatos. Ela [a Casa de Saúde] foi autuada por não ter coordenador de enfermagem; não ter coordenação de controle de infecção hospitalar; não ter farmacêutico responsável pela sustentação de medicamentos; não ter separação de área suja, área limpa na lavanderia; o refeitório foi feito de forma irregular; foi autuada também pelo material do raio-X que estava irregular”, pontuou.

PRAZO
Em uma reunião com o secretário de Saúde do Estado, o prefeito prevê que a Casa de Saúde Ana Medrado Luz volte a funcionar dentro de um prazo de 90 dias. “Tivemos uma audiência com o secretário de Saúde e foi enviado o relatório do termo de compromisso para que o Estado nos dê a ordem para que a Casa de Saúde seja reaberta, no mais tardar, no período de 90 dias”, complementou.

ANOS ATRÁS
De acordo com a secretária de Saúde Simone Aguiar, também responsável pela pasta de Saúde na gestão Gilberto Freitas, os problemas que acarretaram a interdição da Casa de Saúde Ana Medrado Luz já se arrastavam por algum tempo.

Anos atrás, Éder Jakes, que é médico, ocupou o cargo de diretor do hospital. Como responsável pela administração hospitalar, na época, disse ter informado ao gestor sobre irregularidades percebidas. “No cargo de diretor clínico do hospital, nós informamos aquilo que estava de forma irregular”.

Segundo Éder, a secretária de Saúde Simone Aguiar também informou sobre as irregularidades ao prefeito, na época, Gilberto Freitas. “Mas o diretor não tem o poder de delegar ordem. A secretária também não tinha autonomia. E foi-se empurrando com a barriga, com o tempo, até que culminou com o fechamento da Casa de Saúde”, finalizou.