Header Ads

LightBlog

Reabertura da agência do Banco do Brasil é discutida na Câmara

Reabertura da agência do Banco do Brasil é discutida na Câmara Foto: Will Assunção
O faturamento no comércio em Jussiape despencou após a cidade ficar sem a única agência bancária, informou um grupo de comerciantes que se reuniu nesta sexta-feira, 17, na Câmara de Vereadores de Jussiape para debater sobre o assunto.

Em dezembro do ano passado bandidos explodiram pela segunda vez, em menos de três anos, o prédio onde funcionava uma agência do Banco do Brasil, no centro da cidade. Para preocupação dos comerciantes locais, no entanto, o número de vendas na cidade neste período diminuiu drasticamente, já acompanhando a crise que o país vive.

NEGOCIAÇÕES
Há 68 dias sem a agência do Banco do Brasil e com o atendimento da agência dos Correios comprometido, Jussiape vive um caos nos primeiros meses do ano. Apesar do encontro que reuniu o Executivo e o Legislativo, além do comandante da 46ª Companhia Independente da Polícia Militar, o major Irlando Oliveira, as negociações para a reativação da unidade do Banco do Brasil seguem sem uma data definida para a reabertura das suas portas.

SEM FATURAMENTO
“Quando a agência do Banco do Brasil funcionava na cidade nós faturávamos o dobro do eu vendemos hoje”, afirma a dona de um comércio na Praça Rodrigo Alves Teixeira, no centro da cidade, e completa ao dizer que “quem vai a Rio de Contas para sacar dinheiro já compra o que tiver que comprar por lá mesmo, ou seja, nós de Jussiape ficamos sem vender”.

NOVAS ESTRATÉGIAS
De acordo com o prefeito Éder Jakes, que também participou da reunião na Câmara, houve uma conversa prévia com a gerente da unidade. “Ela [a gerente da agência] nos tinha dito que a gerência regional queria que montássemos um sistema de monitoramento com câmeras- uma das exigências para a reabertura da agência na cidade-, que já era um projeto nosso”, pontuou Jakes, em entrevista à Jussi Up Press.

SEGURANÇA PÚBLICA
Durante a sessão na Câmara, o major da Polícia Militar Irlando Oliveira mencionou em sua fala uma parceria entre a polícia e o governo municipal. A um repórter da Jussi Up Press, o militar mencionou mecanismos como vídeomonitoramento, iluminação pública e uma guarda municipal, meios que caberiam em estratégias que poderiam coibir crimes. O major reforça ao dizer que uma guarda municipal “estaria mais atenta à defesa do patrimônio público, e, aliado a isso, naturalmente, ela vai ampliar a vigilância e vai ser, na verdade, o braço direito da Polícia Militar”, pontuou.

Reabertura da agência do Banco do Brasil é discutida na Câmara Foto: Will Assunção

A criação de um novo Conselho de Segurança Pública em Jussiape, já que houve uma tentativa de incrementar um modelo similar de conselho na gestão de Procópio Alencar, foi, originalmente, uma proposta do vereador do PMDB, José Roberto Ribeiro.

MÃOS À OBRA
Para o vereador José Roberto, o novo conselho daria o suporte necessário para a criação de uma guarda municipal e impulsionaria a reabertura da agência do Banco do Brasil, já que uma comissão poderia ir até a superintendência e reivindicar que seja reaberta a unidade na cidade. “Eu acho importante [a criação do Conselho] no nosso município, porque é um município pequeno, mas que o índice de violência vem crescendo”, completa o José Roberto.

O vereador pontua que alguns comerciantes, vereadores e o próprio prefeito poderiam ir até o superintendente para pressionar mais e entender o porquê a agência ainda não reabriu. “Essa história de que Banco não dá retorno (...). Talvez, não dá lucro estrondoso, igual às agências do sul do país. Mas banco nenhum dá prejuízo”, finaliza o peemedebista.