Header Ads

LightBlog

Casa onde viveu João Batista Luz, 4º prefeito de Jussiape, é demolida

Construída nas primeiras décadas do século 20, no centro de Jussiape, a casa onde viveu o 4º prefeito de Jussiape João Batista Luz (1923-2009) foi demolida na manhã desta quinta-feira (26).

O prédio, adquirido por um empresário, foi vendido pela família do prefeito. “A casa que preservava a arquitetura civil do início do século passado não é tombada, assim como a maioria do casario que forma a Praça Rodrigo Alves Teixeira, no Centro Histórico da cidade”, explica o turismólogo Will Assunção.

Casa onde viveu João Batista Luz Foto: Will Assunção/JUP

De acordo com Assunção, o próprio município teria o poder de tombar qualquer prédio com relevância histórica no município e, portanto, preservar as construções para salvaguardar as suas memórias. Especula-se que o terreno onde antes estava erguida a residência de João Batista Luz dará espaço para um empreendimento do ramo varejista. “É possível que mais um mercado seja construído na praça”, conta um popular que reside nas imediações.

Casa onde viveu João Batista Luz Foto: Will Assunção/JUP

MAIS DEMOLIÇÃO
Um dos últimos casarões que conserva a arquitetura civil urbana do final do século 19, na Praça Rodrigo Alves Teixeira, Centro Histórico de Jussiape, começou a ser demolido em 2015. O casario deverá dar lugar a mais um empreendimento no centro da cidade. 

O prédio, datado da segunda metade do século 19, é caracterizado por seis janelas e uma porta, ligeiramente deslocada do centro, e, atualmente, contemplado por apenas quatro janelas e uma porta. Após reforma sofrida na primeira década do século 21, o casarão estava vazio desde a sua última aquisição.

A sua fachada original possuía cobertura em duas águas, emoldurada por cunhais e cornija, vazada por vãos com cercadura de madeira e vergas abauladas.

Casarão do final do século 19 dá espaço a especulação imobiliária Foto: Will Assunção/JUP

O mais antigo proprietário que se tem notícia foi o coronel Rodrigo Alves Teixeira. No entanto, há também registros de outros proprietários como Cassiano Leite, que teria vendido o imóvel a José Assunção. Na década de 1940, Júlia Luz Bonfim adquiriu o casarão de Assunção e o prédio passou a abrigar o Hotel Bonfim.

De acordo com o Inventário de Proteção do Acervo Cultural da Bahia (IPAC-BA), apesar de não possuir nenhuma proteção de um órgão do governo ou reconhecimento como patrimônio histórico pelo município, a casa revela importante relevância arquitetônica.

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA
A mudança no cenário traz já defasada a arquitetura civil do fim do século 19 e início do século 20 no centro de Jussiape. A demolição casarios antigos, que vem aumentando há mais de dez anos, dá espaço a novos empreendimentos.

“É bem provável que em pouco tempo apenas sobrará vestígios do que restou do legado histórico-cultural da praça”, alerta o turismólogo e editor da Jussi Up William Assunção.

Outros sete modelos arquitetônicos ainda resistem na Rodrigo Alves Teixeira, como o intocável prédio da capela Matriz Nossa Senhora da Saúde, datado do mesmo período. 

O antigo Mercado Municipal, do final do século 19, ponto de tropeiros no início do século passado, e que atualmente abriga o Museu Senhor Onildo Luz Silva.

A Câmara de Vereadores, sem data definida, mas atribuído a ao fim do século 19 e início do século 20, além de algumas residências e outros prédios que conservaram, em bom estado, as suas fachadas.

Segundo Assunção, descendente de um dos proprietários do imóvel no passado, não há necessidade de um estudo aprofundado para revelar que o prédio em questão tenha valor histórico, haja vista que ele integra o conjunto arquitetônico da praça e traz, como legado, a história do município.

O prédio retrata a arquitetura civil urbana das últimas décadas do século 19, quando o comércio de gado no município começava a despontar como maior atividade econômica da região e uma das principais do estado.