Header Ads

LightBlog

Qual foi a gota d’água? 3 perguntas que merecem resposta

Imagem: Reprodução

Racionamento, escassez de chuva e mau uso da água. O que está por trás da crise hídrica que afeta milhares de jussiapenses? A Jussi Up Press traz respostas sobre o que vem acontecendo com a nossa água.

1. Quais as consequências do desmatamento da mata ciliar às margens do Rio das Contas?
NINGUÉM É DONO DAS MARGENS DO RIO
Ou melhor, todos nós somos, incluindo aí o governo. Mas, indo direto ao ponto que responde a pergunta acima: a escassez da água do Contas. Essa é a principal consequência do desmatamento às margens do rio. Fora tantas outras, como o comprometimento do habitat na região. O problema é que “a agricultura vem crescendo no município e os produtores devem ter a consciência quanto aos problemas e aos impactos ambientais que podem causar com os avanços sobre novas áreas”, diz Suzana Caires, ex-diretora de Meio Ambiente de Jussiape em entrevista ao especial do JUP. O agrotóxico tem sido um dos principais problemas trazidos pelo agronegócio. Sem falar na conversão de florestas para o desmatamento e dos avanços sobre área de reserva legal. O uso consciente da água deve ser usado sem desperdício. O uso inconsciente gera a escassez, um problema ambiental cujos impactos tendem a ser mais graves no futuro.

2. Como anda o consumo de água em Jussiape?
CONSUMA COM MODERAÇÃO
Por enquanto vai muito bem, obrigado. Mas, cabe pensar no futuro de forma sustentável, certo? Pois é, as imagens da seca em Jussiape que circulam pela internet nos fazem lembrar que consumimos diariamente 400.000 m3 de água, o que soma 12.000.000 m3 em um único mês, segundo dados do segundo semestre de 2015 da Embasa. Ou seja, a água que a cidade toda consome para o uso doméstico daria para encher 4.800 piscinas olímpicas. Já parou para pensar nisso? E olha que estamos falando de uma população de pouco mais de 8.000 habitantes, segundo estimativas do IBGE. Isto é, consumimos muita água e nem sequer possuímos um plano de desenvolvimento sustentável caso não chova e falte água. É pensar no que fazer caso um desastre natural, como uma seca prolongada, nos atinja.

NOSSO RIO É SUJO!
Houve uma tentativa tímida por parte da Prefeitura, através da Secretaria de Turismo, Cultura e Meio Ambiente, entre os anos de 2013 e 2014, na gestão do prefeito Gilberto Freitas, para despoluir o trecho do Rio das Contas que corta o município. Uma campanha bem intencionada foi veiculada nos meios de comunicação da cidade, mas o projeto não foi adiante. A questão é que o problema é bem maior do que todos nós podemos imaginar, pois a maior parte do esgoto da cidade é lançada diretamente no rio sem nenhum tipo de tratamento. Uma nova rede de saneamento, que custaria aos cofres públicos milhões de reais, soa como solução utópica. Mas é claro que podemos cogitar diversas alternativas.

3. A cultura de maracujá é ou não uma ameaça a nossa água?
NÓS TEMOS QUE ENTENDER!
Sim, é. Não só o cultivo do maracujá, como o da manga, ou de qualquer outro que utilize agrotóxico de forma demasiada e sem controle, ou sistema de irrigação que não economize água. Além disso, a maioria das plantações é feita às margens do Rio das Contas, não respeitando os limites de distanciamento da margem estabelecido por lei, explica Suzana Caires, ex-diretora de Meio Ambiente de Jussiape em entrevista à edição especial da Jussi Up Press.